quinta-feira , 18 outubro 2018
Home / Economia / Banco do Brasil transforma todos os funcionários em acionistas

Banco do Brasil transforma todos os funcionários em acionistas

Cada um dos 98 mil funcionários recebeu hoje três ações da instituição (Foto: Pilar Olivares/Reuters)

Em 09/08/2018 às 17:29

O Banco do Brasil transformou todos os 98 mil funcionários em acionistas. Cada um deles recebeu hoje três ações da instituição. Os papéis eram vendidos a 33,37 reais às 15h30 desta quinta-feira.

Segundo o banco, 295.248 ações foram divididas entre os funcionários da ativa, sem diferenciação hierárquica. Esses papéis não poderão ser vendidas enquanto os funcionários estiverem no banco.

“Com o olhar de dono, que busca entender toda a complexidade da arena bancária, o colaborador terá mais condições de contribuir para o fortalecimento da empresa”, diz a instituição.

O BB afirma que essa ação ‘não se trata de uma medida financeira e, sim, de uma atitude do para reforçar a visão de dono, desde o escriturário até os níveis executivos da organização’.

“A transferência da propriedade desses papéis simboliza o comportamento que o BB entende como o mais adequado para seus funcionários, diante do atual cenário de um mundo em transformação, com novas tecnologias e relações de consumo”, diz em nota.

Em entrevista para a VOCÊ S/A, o presidente do BB, Paulo Caffarelli, diz que o objetivo é incentivar o engajamento dos colaboradores. “O nosso mote agora, a nossa campanha é:  no Banco do Brasil você é atendido pelo dono”, afirmou ele na entrevista.

Outra mudança diz respeito ao pagamento do programa de desempenho gratificado (PDG): 50% será realizado em ações do BB a partir do segundo semestre. Diferentemente das três ações, que não poderão ser comercializadas, a parte do PDG poderá ser vendida a qualquer tempo.

Resultado financeiro

O banco controlado pelo governo federal anunciou nesta quinta-feira que seu lucro ajustado somou 3,24 bilhões de reais no período, alta de 22,3% ante mesma etapa de 2017. O lucro líquido cresceu 19,7%, a 3,135 bilhões de reais.

O BB seguiu se beneficiando da melhora da qualidade da sua carteira de empréstimos, com o índice de inadimplência acima de 90 dias caindo a 3,34%, ante 3,65% no fim de março e 4,11% um ano antes.

Fonte: Veja

Compartilhar

Veja Também

Dólar volta a subir e Bolsa cai após Bolsonaro falar sobre Previdência

Em 10/10/2018 às 12:16 Falas do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) sobre reforma da Previdência, a notícia ...

Deixe uma resposta