terça-feira , 25 setembro 2018
Home / Política / Conheça Paulo Guedes, o mentor de Bolsonaro

Conheça Paulo Guedes, o mentor de Bolsonaro

© Sergio Moraes/Reuters

Em 18/08/2018 às 11:41

Paulo Guedes é um nome frequente durante sabatinas e debates com deputado federal Jair Bolsonaro, candidato do PSL ao Planalto. Quando o assunto é economia, o político se limita a dizer que Guedes vai decidir. Mas, afinal, quem é Paulo Guedes.

O primeiro encontro da dupla aconteceu em 13 de novembro de 2017 e foi intermediado pela presidente do Instituto Resgata Brasil, Beatriz Kicis. “Ele [Guedes] disse que havia sido sondado por todos os governos desde Delfim Netto, mas que só agora via a possibilidade de um casamento entre a ordem, representada por Bolsonaro, e o progresso, representado por ele mesmo”, contou Beatriz à ‘Veja’.

Desde então, Bolsonaro e Guedes se reúnem com frequência. O presidenciável afirma que o economista é o seu “Posto Ipiranga”, em alusão ao comercial de TV.

Paulo Guedes é o principal assessor econômico e possível ministro da Economia no caso de vitória de Bolsonaro. O economista é Ph.D. pela Universidade de Chicago, nos Estados Unidos, conhecida por formar importantes economistas ultraliberais, como Milton Friedman e Thomas Sargent.

Com 68 anos, Guedes tem experiência na carreira política. Ele já assessorou o então candidato à Presidência Guilherme Afif Domingos, em 1989, sendo um crítico dos planos econômicos da época, incluindo o Real.

O economista fez fortuna no ramo financeiro no Rio de Janeiro, embora tenha iniciado a sua carreira na academia. Ele foi professor universitário da PUC-Rio, Fundação Getulio Vargas e Instituto de Matemática Pura e Aplicada (Impa), até receber um convite para lecionar na Universidade do Chile, no momento em que o país vizinho vivia o auge da ditadura com Augusto Pinochet.

“O reitor me ligou oferecendo salário de 10 000 dólares. Eu ganhava o equivalente a 3 000 dólares dando aulas em três faculdades. Foi uma proposta irrecusável”, contou em entrevista à revista. Seis meses depois, após a polícia política de Pinochet fazer uma inspeção em sua sala na universidade, que ele considerou abusiva, e um terremoto assustar a sua família, o economista decidiu retornar para o Rio de Janeiro.

Em 1983, ao participar de uma reunião do FMI nos Estados Unidos, o banqueiro Luiz Cezar Fernandes o convidou para abrir a corretora e hoje Banco Pactual, onde passou 15 anos. “Eu queria um banco de investimentos. O Luiz Cezar queria um banco comercial. Preferi sair”, explica Guedes.

De 1998 a 2003, o economista atuou no ­Ibmec, órgão de pesquisa voltado para o mercado financeiro, de onde saiu também por conta de divergências na estratégia. Nos cinco anos seguintes, Guedes investiu na Abril Educação com Roberto e Giancarlo Civita, donos da Editora Abril. Em 2006, criou a BR Investimentos, que, em 2013, foi comprada pela Bozano Investimentos.

Hoje, o economista divide o seu tempo entre a Bozano e a assessoria de Bolsonaro. Guedes acredita que o deputado, que construiu sua carreira como estatista, tenha se transformado num liberal-democrata, mesmo elogiando a ditadura militar.

O economista garante que está com “Bolsonaro 100%” e, em alguns momentos, sente como se fosse ele próprio o candidato a presidente.

Pessoas próximas a Guedes dizem que ele tem temperamento forte, é falante e defende os seus argumentos com ênfase e palavrões. Ainda de acordo com a reportagem, o economista não é de “grandes luxos”. Vai a jantares, mas raramente toma um vinho, é fã dos Beatles, aprecia ir a shows de música e prefere circular de Uber ou táxi a dirigir o próprio carro. Ele toca piano e lê três livros por semana ao mesmo tempo.

O temperamento forte de Bolsonaro e Guedes tem sido alvo de questionamentos ao presidenciável. Jornalistas perguntam se o deputado tem um “plano B”, no caso da parceria falhar. Bolsonaro aposta na aliança e não tem uma alternativa para a economia se a dupla romper.

POR NOTÍCIAS AO MINUTO

Compartilhar

Veja Também

Eleição impede reanálise da prisão em 2ª instância, diz ministro do STF

Em 24/09/2018 às 14:38 O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Marco Aurélio Mello disse nesta segunda-feira ...

Deixe uma resposta