quinta-feira , 20 setembro 2018
Home / Política / Delator relata entrega de dinheiro a deputados do Rio

Delator relata entrega de dinheiro a deputados do Rio

© Sergio Moraes / Reuters / Imagem de arquivo

Em 11/07/2018 às 10:47

empresário Leandro Camargo afirmou em delação que os deputados federais Francisco Floriano (DEM-RJ) e Júlio Lopes (PP-RJ) receberam propina do empresário Miguel Iskin, apontado como organizador do cartel internacional em pregões do Into (Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia) e da Secretaria de Saúde do Rio.

O colaborador afirmou também que os dois mantiveram uma forte disputa por cargos de direção no Into, sempre intermediada por Iskin.

A delação de Camargo, homologada pelo ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal, foi uma das bases para a Operação Ressonância, deflagrada na semana passada. Ele é dono da Per Prima, então fornecedora do Into.

O empresário relatou que Floriano pressionou o ex-diretor-geral do Into Christiano Cinelli a lhe dar propina a fim de garantir apoio político na manutenção do cargo.

Camargo se tornou um intermediário entre Cinelli, Iskin e Floriano. Foi acertado então um pagamento mensal de R$ 150 mil por mês, delatou.

A primeira parcela foi paga em duas “viagens” de Camargo, de acordo com o relato. A segunda, de R$ 50 mil, ocorreu em 6 de janeiro de 2017.

“O deputado ficou muito insatisfeito, pois disse que esperava um valor maior, visto que sabia quanto a Oscar Iskin [firma de Miguel Iskin] havia ganho no final do ano e que tomaria as providências para tirar o Miguel do esquema”, afirmou o colaborador.

Floriano ameaçou ainda tirar Cinelli do cargo porque o então diretor-geral não honrou “o compromisso com a ‘bancada da saúde’ do Rio de Janeiro”, relatou o delator.

Na semana seguinte, o deputado foi visto no Palácio do Planalto aos berros se queixando sobre a demora na nomeação de um apadrinhado no Into. “Se a Secretaria [de Governo] não resolve, então a Casa Civil vai ter que resolver. Se eu não for recebido ainda hoje, vou chutar a porta dos gabinetes”, gritou o deputado, segundo relato do jornal O Globo à época.

Camargo afirma que três meses depois Iskin jantou com o deputado e acertaram a nomeação de Naasson Cavanellas, designado em abril de 2017. Naquele mês foi deflagrada a Operação Fatura Exposta, que prendeu Iskin. O empresário foi solto em dezembro, por liminar do ministro Gilmar Mendes, do STF.

De acordo com o MPF, a prisão não interrompeu as cobranças de propina. Camargo relatou que ainda sob a gestão do atual diretor, André Loyelo, foi abordado por pessoas ligadas à direção solicitando propina. O nome de Floriano foi mencionado por um deles, em janeiro deste ano. Loyelo foi preso na quarta (4).

Camargo declarou também que “presenciou quando o deputado Júlio Lopes esteve na casa de Miguel Iskin para buscar dinheiro, que foi entregue em um saco cinza, desses auto-adesivos, com uma quantia de R$ 100 mil”.

A informação sobre o valor foi dada, segundo o delator, por Gustavo Estellita, sócio de Iskin. “Estellita disse que não tinha sido o primeiro pagamento feito ao deputado, que esse era mais um pagamento. Estellita disse: ‘Já pagamos um puta dinheiro para esse cara e até agora não resolveu nada'”, declarou Camargo à PGR.

Floriano afirmou,via assessoria, “que não conhece qualquer das pessoas citadas” e “que nunca manteve encontro com qualquer uma delas e que nunca recebeu qualquer tipo de recurso ilícito”.

Ele disse ter indicado Loyelo ao cargo de diretor-geral do Into “baseado em critérios técnicos”. “Em relação ao episódio no Palácio do Planalto, o parlamentar nega, como já havia feito na época, o comportamento atribuído a ele, tendo, inclusive testemunhas que confirmam sua versão.”

Júlio Lopes disse que a delação de Camargo é “absurda, mirabolante”. “Um sujeito que não se constrange em dizer que deu ouvidos a um comentário de outra pessoa. Não pode ser séria uma delação que se vale de fofocas insidiosas”, disse em nota. Com informações da Folhapress.

 POR FOLHAPRESS

Compartilhar

Veja Também

Saiba quem são os 10 principais candidatos a deputado estadual que podem representar o Cariri

Em 20/09/2018 às 12:00 Encerrado na última segunda-feira (17) os trâmites dos registros de candidatura ...

Deixe uma resposta