quinta-feira , 19 julho 2018
Home / Política / Tribunal suspende prazos e altera expediente durante julgamento de Lula

Tribunal suspende prazos e altera expediente durante julgamento de Lula

© DR

Em 12/01/2018 às 11:54:42

TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) decidiu suspender os prazos processuais e as intimações nos dias 23 e 24 de janeiro, véspera e dia em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva terá seu processo julgado pela corte.

O expediente também será alterado. No dia 23, será das 8h às 12h. No dia 24, não haverá expediente, exceto para os servidores diretamente envolvidos com o caso de Lula, que será julgado a partir das 8h30.

O tribunal afirma que a suspensão ocorre devido às medidas adotadas pelos órgãos de segurança do Rio Grande do Sul e pela Polícia Federal para garantir a ordem durante o julgamento.

REUNIÃO

Nesta sexta-feira (12) o presidente do TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), desembargador Carlos Eduardo Thompson Flores, receberá parlamentares petistas para discutir as medidas de segurança para o julgamento.

Autor do pedido de audiência, o líder da bancada do PT na Câmara dos Deputados, Paulo Pimenta, enfatiza que a pauta se limitará a questões administrativas: “Vamos falar sobre nosso ato. Não vamos tratar de processo. Não é conosco nem com ele”.

PROCESSO

O TRF-4 é responsável pelo julgamento de Lula na segunda instância. Em julho de 2017, o ex-presidente foi condenado pelo juiz Sergio Moro a nove anos e meio de prisão.

Lula é acusado de receber R$ 3,7 milhões em propina da empreiteira OAS, em decorrência de contratos da empresa com a Petrobras. O valor, segundo a acusação, refere-se à suposta cessão pela OAS do apartamento tríplex no Guarujá (SP) ao ex-presidente, às reformas feitas pela construtora no imóvel e ao transporte e armazenamento de seu acervo presidencial. Com informações da Folhapress.

POR FOLHAPRESS

Compartilhar

Veja Também

TRF4 condena Cláudia Cruz a 2 anos e 6 meses de prisão

Em 18/07/2018 às 15:44 A Oitava Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) condenou ...

Deixe uma resposta