sexta-feira , 21 setembro 2018
Home / Polícia / Um mês após morte de Giselle, policial afastado exerce funções administrativas na PM

Um mês após morte de Giselle, policial afastado exerce funções administrativas na PM

Giselle era estudante de Administração na Unifor (Foto: Reprodução/Facebook)

Em 11/07/2018 às 09:22

A morte da estudante Giselle Távora Araújo, de 42 anos, completa um mês nesta quarta-feira, 11. A mulher foi vítima de abordagem equivocada da Polícia Militar, que procurava carro semelhante ao de Giselle, um HB20 branco. A reportagem do O POVO Online buscou junto à Polícia Militar (PM) a situação de todos os homens da corporação que estiveram envolvidos no caso. Em resposta, a PM disse que o autor do disparo está afastado das ruas, realizando atividades administrativas da instituição. Ele é assistido pelo Conselho de Defesa do Policial no Exercício da Função (CPDEF). 

A Controladoria Geral de Disciplina (CGD) disse que a Delegacia de Assuntos Internos (DAI) solicitou à Justiça prorrogação do prazo para a conclusão do inquérito, que terminaria nesta quarta-feira, 11. A justificativa para o pedido é o de obter mais provas sobre o fato. “Quanto ao Processo Administrativo Disciplinar (PAD) houve o afastamento preventivo do policial envolvido, estando em fase de instrução na comissão”, diz a nota.

Em novo contato com a CGD, o órgão explicou que determina o afastamento, mas o setor de recursos humanos da PM decide como a medida se dará. No caso, o autor do disparo foi afastado da rua, mas segue exercendo atividades dentro da corporação. 
 
O caso

Giselle foi morta após ter o carro, um HB20 branco, confundido pelos policiais com um veículo roubado. Houve perseguição e um dos PMs do motopatrulhamento disparou um tiro que atingiu o pulmão da universitária. A abordagem desastrosa aconteceu na noite de segunda, na avenida Oliveira Paiva, e Giselle morreu na manhã do dia seguinte.

A universitária estava com a filha de 19 anos no carro do momento do ocorrido. Versão da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) e da testemunha do crime são contrastantes: enquanto a Polícia diz que a mulher fora sinalizada, mas empreendeu fuga, a família afirma que os policiais atiraram quando o carro parou no semáforo.   

Fonte: O Povo

Compartilhar

Veja Também

Recorde de 6,8 Kg de drogas apreendidas na PIRC de Juazeiro seria para o “pernoite do amor”

Em 20/09/2018 às 09:38  Em menos de uma semana quase 10 Kg de drogas já foram ...

Deixe uma resposta