Volume
Rádio Offline
Redes
Sociais
Arredores da Igreja Matriz de Santo Antônio na década de 1940, em Barbalha
14/04/2019 12:33 em Cariri

Erguida em 1779, na colina mais alta às margens do riacho Salamanca, a Igreja de Santo Antônio era representação de poder, fé e organização para a antiga "Freguesia". Na época de sua construção, pouco existia no distrito e ali seria determinado seu centro pelo capitão Francisco Magalhães Barreto e Sá e sua esposa dona Maria Polucena de Abreu e Lima.

De lá para cá, a paisagem urbana de Barbalha mudou drasticamente. A Igreja foi fotografada (imagem abaixo) pelo artista plástico e restaurador João José Rescala, (especula-se que) em 1946, para o inventário arquitetônico do Ceará à serviço do antigo SPHAN. 

                                               

Fotografia de 2019 retrata a urbanização ao redor da Matriz, na Avenida Beira Brejo, pela perspectiva de sua praça. (Foto: Naira Filgueira/Colaboração)



Das poucas edificações ao redor do centro de Barbalha, a fotografia guarda a Igreja neoclássica (que já aparece reformada) como  representação da devoção e influência da elite barbalhense na vida urbana. Anos mais tarde seria expandida em para acomodar o número crescente de fiéis católicos.

Guardando o Casarão Hotel, a casa dos padres e diversas outras edificações tombadas no Centro Histórico, a Rua da Matriz (Avenida Beira Brejo) também recebe o maior evento religioso da região, a Festa de Santo Antônio, quando é escolhido, carregado e hasteado o tradicional Pau da Bandeira, patrimônio imaterial do Brasil e do Ceará. 

Datada do século XVIII, a Igreja da Matriz possui 2.400 m², com piso original do Império, mesclando detalhes originais e reformados. Em seu interior, exibe imagens francesas e a figura maior do padroeiro Santo Antônio. Em 2014, passou por sua última grande reforma. 

                                       

Outra visão da Igreja da Matriz. (Foto: Alana Soares/Cariri Revista)



Por Alana Soares/ Agência Miséria
Miséria.com.br

 

COMENTÁRIOS