Volume
Rádio Offline
Redes
Sociais
Bolsonaro diz que reconhece sua incompetência em alguns momentos
07/09/2019 07:22 em Política

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Em uma espécie de desabafo, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse no fim da tarde desta sexta-feira (6) que reconhece momentos de limitação e incompetência no exercício do seu mandato.

Emocionado, o presidente fez o discurso na porta do Palácio do Alvorada, quando foi recebido por simpatizantes que o parabenizaram pelo aniversário de um ano da facada desferida contra ele durante a campanha presidencial.

"Eu reconheço as minhas limitações, as minhas fragilidades, a minha incompetência em alguns momentos. Mas vou continuar empenhado para fazer meu melhor", disse.

Desde quinta-feira (5), Bolsonaro tem demonstrado incômodo com a reação negativa de eleitores com a indicação do subprocurador-geral Augusto Aras para o comando da PGR (Procuradoria-Geral da República).

Em live nas redes sociais, o presidente solicitou inclusive que apaguem comentários contra o indicado para a sucessão da procuradora-geral Raquel Dodge e pediu um voto de confiança. Nesta sexta, ele voltou a justificar a sua escolha. "Ontem [quinta] escolhi o novo procurador-geral da República. Uma escolha difícil, mas é uma pessoa que tem um grau de importância muito parecido com o de presidente", disse Bolsonaro. "A gente não pode focar apenas em corrupção, há também a questão ambiental e de direitos humanos."

Ao todo, cerca de 50 pessoas receberam Bolsonaro. Elas cantaram "parabéns a você", o que o levou a lacrimejar. Segundo ele, foi feita também uma festa na Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora (MG), onde ele foi socorrido após a facada. "Eu sou imbrochável", disse o presidente, ressaltando que não desistirá de sua missão no cargo. "Obrigado pelo parabéns. Um ano de vida", afirmou.

Bolsonaro já havia escolhido Augusto Aras para a PGR desde o final de junho. Ele optou, no entanto, por segurar o anúncio para arrefecer as críticas ao subprocurador-geral, sobretudo dentro de seu próprio partido, o PSL, que o acusavam de ter afinidade com a esquerda.

No período, Bolsonaro enviou interlocutores ao Congresso para falar individualmente com líderes de frentes parlamentares na tentativa de diminuir a resistência a uma indicação de Aras. Na quinta-feira, antes do anúncio oficial do nome de Aras, o presidente consultou representantes das bancadas evangélica, do agronegócio e da segurança pública, consideradas as principais bases de apoio do governo.

 POR FOLHAPRESS

© Carolina Antunes/PR

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!