Especialistas recomendam cuidados para pessoas com HIV se prevenirem do coronavírus
03/04/2020 18:50 em Saúde

Autoridades de saúde pública dos Estados Unidos e da China esclareceram dúvidas sobre o coronavírus e HIV na última Conferência sobre Retrovírus e Infecções Oportunistas (CROI 2020), que aconteceu virtualmente. Segundo os especialistas disseram que, embora ainda não existam dados consistentes sobre o coronavírus em pessoas com HIV, o risco pode ser elevado naqueles com baixa contagem de CD4 e naqueles sem acesso consistente ao tratamento para o HIV.

Embora a maioria das pessoas infectadas com o novo coronavírus – oficialmente chamado SARS-CoV2 – tenha doenças leves, cerca de 20% desenvolvem doenças mais graves. Pessoas idosas, indivíduos com condições de saúde subjacentes e pessoas com sistema imunológico comprometido correm maior risco de desenvolver complicações graves.

Epidemiologia na China

O Dr. Zunyou Wu, do Centro Chinês de Controle e Prevenção de Doenças (CCDC), forneceu uma visão geral da linha do tempo do surto em Wuhan, China, onde a epidemia surgiu pela primeira vez.

Onze dias após três casos incomuns de pneumonia na mesma família foram notificados ao CCDC em 27 de dezembro, o SARS-CoV2 foi identificado e, em poucos dias, o vírus foi sequenciado e os primeiros kits de teste foram distribuídos. A cidade de Wuhan foi fechada em 23 de janeiro, seguida por um ‘cordão sanitário’ da província de Hubei, que cobria 59 milhões de pessoas.

“Era um vírus novo e não tínhamos imunidade, tratamento, vacina ou maneiras mágicas de controlá-lo”, disse Wu. “Tudo o que usamos foram medidas fundamentais de saúde pública”. Ele estimou que esses esforços impediram pelo menos um milhão de casos na China.

A maioria dos casos no surto de Wuhan surgiu de contato próximo e freqüentemente ocorreu em grupos de famílias, informou Wu. A febre é o sintoma mais comum, ocorrendo em cerca de 80% dos pacientes, enquanto cerca de 40% desenvolvem tosse. Muitas pessoas com doenças leves têm poucos sintomas, embora Wu tenha dito que a verdadeira infecção assintomática “parece ser rara”.

Entretanto, conforme descrito por Ralph Baric, da Universidade da Carolina do Norte, o COVID-19 pode progredir para a síndrome do desconforto respiratório agudo, que ocorre quando os sacos de ar danificados (alvéolos) nos pulmões não conseguem mais trocar adequadamente o oxigênio, potencialmente levando à hipóxia (baixa níveis de oxigênio), falência de órgãos e morte. Além disso, lesões pulmonares adicionais são causadas pela resposta do sistema imunológico à infecção. A fibrose pulmonar, ou o desenvolvimento de tecido cicatricial, pode causar danos duradouros mesmo depois que uma pessoa se recupera da infecção.

Respondendo a perguntas da platéia virtual, Baric disse que ainda não está claro se as pessoas infectadas desenvolvem imunidade (e, em caso afirmativo, quanto tempo dura), se o vírus estabelece reservatórios duradouros no corpo ou se pode ocorrer reinfecção.

Para quem vive com HIV

John Brooks, do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA, discutiu a disseminação do coronavírus para fora da China. “A rápida disseminação generalizada em nosso mundo hiperconectado cria desafios em tempo real” quando se trata de prever o curso da epidemia, disse ele.

Novos casos de COVID-19 atingiram o pico na China no início e meados de fevereiro e depois caíram drasticamente. A epidemia começou então a aumentar em outras partes do mundo.

Brooks discutiu a transmissão do SARS-CoV2, observando que a infecção se espalha principalmente através de gotículas respiratórias no ar – como as liberadas quando uma pessoa tosse ou espirra – que caem nas superfícies. O vírus pode ser transmitido quando alguém toca essas superfícies e o transfere para a boca, nariz ou olhos. O vírus é detectável nas fezes, mas a disseminação fecal é “improvável no momento”, segundo Brooks. A transmissão perinatal não foi observada e o vírus não foi detectado no líquido amniótico ou no leite materno.

Até o momento, não há dados específicos sobre o COVID-19 em pessoas imunocomprometidas, mas por analogia com outros vírus respiratórios, é mais provável que essas pessoas desenvolvam a doença de forma grave.

“Entre as pessoas que vivem com HIV – muitas com 50 anos ou mais e com condições coexistentes – é provável que o risco seja maior para aqueles com baixa contagem de células CD4 e para aqueles que não fazem terapia antirretroviral com supressão viral total”, disse Brooks. . No entanto, ele aconselhou que todas as pessoas com HIV tomem precauções, pois este é um vírus novo e ainda há muito a ser aprendido.

As recomendações de Brooks incluem garantir o fornecimento de pelo menos um mês de medicamentos, manter-se atualizado com as vacinas contra a gripe e a pneumonia pneumocócica e estabelecer um plano de atendimento clínico se isolado ou em quarentena. Por fim, ele aconselhou: “Manter uma rede social, mas remotamente – o contato social nos ajuda a permanecer mentalmente saudáveis ​​e a combater o tédio”. Ele também instou a comunidade de HIV a usar sua experiência para combater o estigma agora emergente em torno do coronavírus.

 

Redação da Agência de Notícias da Aids com informações

COMENTÁRIOS